Author Archives: Tom Duncan

Como Sacar o Bolsa Família?

O Bolsa Família é um benefício do Governo Federal específico para famílias de baixa renda. Ele é pago todos os meses e fica disponível por saque, com renovação a cada dois anos para evitar fraudes. O saque é muito simples de fazer e deve obedecer sempre ao Calendário Bolsa Família. Saiba mais a seguir. 

Entendendo como funciona o Bolsa Família

A assistência do Bolsa Família visa ajudar famílias de baixa renda ou em situação de risco a conseguir arcar com suas necessidades básicas. O valor pago mensalmente é muito distante de um salário mínimo, mas ajuda muitos a conseguir comprar o básico de uma feira básica ou alimentação para os seus filhos.

O cadastro é realizado por todos que tiverem interesse em receber a bolsa, mas apenas quem realmente precisa é aprovado. É preciso ter uma renda de até meio salário mínimo ou não ter renda, no caso dos desempregados sem receber seguro desemprego. Aposentados e pensionistas não possuem direito.

Continuamente a bolsa é paga por dois anos, totalizando 24 pagamentos. Ao final deste período o beneficiário deve voltar ao local onde se cadastrou e renovar os dados. Caso ainda esteja desempregado, não haja renda na família ou continue em estado de extrema pobreza continua recebendo a bolsa do Governo Federal. Caso não o pagamento é suspenso e mais famílias podem ser ajudadas.

Como sacar o Bolsa Família

O benefício social fica disponível para saque em uma agência da Caixa Econômica Federal ou em seus terminais de atendimento. É preciso ter o Cartão Cidadão com a senha e se dirigir até um caixa de auto atendimento ou o caixa com um funcionário da agência. 

O valor é liberado mensalmente sempre em um intervalo de 30 dias. Não adianta ir antes porque não haverá verba, a menos que não tenha sido sacado tudo. 

As datas de saque são determinadas pelo Calendário Bolsa Família. Ele é estipulado de acordo com a numeração final do Cartão cidadão. Cada grupo possui uma data e antes disso a verba não é liberada. 

Perdeu o Cartão Cidadão? Não há problema. Pode se dirigir até uma agência da Caixa Econômica Federal com documento pessoal com foto e CPF para solicitar uma segunda via. Ela chega em 15 dias na mesma agência. Neste instante deve-se cadastrar uma nova senha e o saque continua normal.

Como se cadastrar no Bolsa Família

O cadastro do Bolsa Família é gratuito e disponibilizado por postos de atendimento das prefeituras. Deve-se procurar o local estipulado pela prefeitura de sua cidade com a documentação solicitada e falar com um agende do programa. 

Os documentos necessários são:

  • Documento oficial com foto – pode ser identidade, habilitação ou carteira de trabalho;
  • CPF;
  • Comprovante de residência – com validade dos últimos três meses;
  • Comprovante de renda.

Todos os documentos devem ser apresentados em seu formato original para o atendente. O cadastro é realizado na hora e se aprovado (a informação é na hora também), em 15 dias chega o cartão cidadão. Já no mês seguinte a bolsa é liberada.

O que analisar antes de comprar uma moto?

Moto é um veículo com fãs em todo o mundo. A economia no combustível é apenas um dos atrativos, há a facilidade de estacionamento e mobilidade no trânsito como pontos diferenciais. Mas antes de comprar uma moto alguns pontos devem ser levados em consideração e muito importantes a serem considerados muito importantes. 

Moto nova ou usada?

Este é o primeiro ponto a ser avaliado e muito deve ser levado em consideração. Um dos pontos mais importantes é o quesito que devemos pensar com cautela: impostos. IPVA 2018 é muito mais caro de veículo novo, em especial comprado no mesmo ano. 

A desvalorização rápida de veículo de duas rodas emplacado também é rápida. Em menos de seis meses ela já perde mais de 20% do valor de loja. Para quem compra um veículo desses pouco usado é ótimo mas quem vende perde muito. 

Mas há a parte ruim também a ser analisada. É um veículo leve e fácil de fraudes. Nem todo mundo realiza a manutenção como deveria e por isso comprar veículos com peças na iminência de troca é comum. Os gastos podem parecer baixos de início mas se tornarem muito altos em longo prazo. 

Moto usada precisa de muita análise e conhecimento antes da compra. A qualidade das peças e estado do veículo é que podem informar se é um bom negócio ou gerará dor de cabeça em longo prazo. Uma boa dica é pedir uma avaliação com mecânico antes de efetuar a transação financeira.

O que analisar antes de comprar uma moto?

Saber comprar uma moto é importante e não é tão complicado. É preciso observar pontos muito importantes seja ela nova ou usada. Os mais importantes são:

Fabricante e disponibilidade de peças – nem todas as marcas são populares mesmo sendo ótimas motos. Se compra o veículo pensando em rodar muito a manutenção deve ser mais frequente e a necessidade de peças também. Avaliar o mercado e índice de reclamações online sobre o problema é uma boa pedida antes de levar para a garagem. 

Desemprenho – tudo depende de qual o seu uso. Se sua locomoção é básica e não para trabalho não necessita de um excelente desempenho e pode comprar um modelo mais barato. 

Óleo – tem fácil acesso para a vareta? É algo que pode verificar sem problemas? Observe como é desenvolvido o sistema e se não há muitas críticas sobre ele. 

Comandos – há muitos modelos diferenciados e eles devem ser de fácil manuseio. Claro, há sempre um período de adaptação mas dependendo do seu uso e da necessidade de ligar e desligar pode ser interessante buscar os mais fáceis possíveis. 

Cabe acessórios? – parece que toda moto cabe um baú mas na verdade não cabe. Algumas não permitem muito conforto ou um passageiro quando o acessório está instalado. 

Preço de revenda – se você costuma trocar de moto todo ano lembre do que foi informado acima. Quanto mais antiga fica mais ela desvaloriza. Contudo, os modelos populares desvalorizam mais rapidamente e vale analisar se a perda não será muito alta e não vale a pena investir. 

Quais os principais impostos diretos no Brasil?

O Governo Federal não é uma instituição filantrópica. Ele necessita de impostos para gerir obras, melhorias de sua economia e fornecer serviços. Por isso pagamos impostos em diversas áreas e o Brasil continua crescendo ou os serviços funcionando. Há muitos impostos diretos no Brasil que você paga todos os dias. Saiba quais são e como funcionam.

Quanto e por que você paga imposto?

Óbvio que ninguém gosta de pagar contas mas são necessárias. Os impostos são as principais formas de arrecadação do Governo Federal, Estadual ou Municipal e sem eles não há verba para os órgãos trabalharem. Quando a arrecadação está baixa as obras ficam paradas ou os serviços não oferecidos. 

A principal forma de comprovar se você paga impostos para algo positivo é observando os serviços gratuitos. Os hospitais públicos e unidades de pronto atendimento instalados nas cidades do país são um bom exemplo. Os médios, enfermeiros e seguranças recebem salário do Estado ou do Governo Federal e esse dinheiro vem do seu imposto. A compra de equipamentos e suprimentos como um esparadrapo também. 

Estima-se que da renda bruta da Declaração Imposto de Renda pagamos mais de 30% de imposto sobre o salário. É muito? Sim, mas há países que pagam mais e descontos até mesmo direto na fonte. Somos considerados o povo que mais paga imposto direto no mundo mas não há desconto na fonte (diretamente no salário). Se não há renda não há o que pagar.

Infelizmente somos o país com maior sonegação fiscal com tantos tributos a serem pagos também. A arrecadação está entre as mais baixas dos países em desenvolvimento por conta das altas taxas.

Quais impostos você paga no Brasil?

A taxa de impostos é alta mas cada uma é focada em um serviço. Conhece todas? São elas:

Imposto de Renda – sobre a renda ganha de uma empresa ou com salário uma parte vai para a União. Ao declarar o Importo de Renda 2018 a Receita Federal lança tributos de acordo com os ganhos focados nas obras federais. 

IPVA – os proprietários de veículos pagam anualmente o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores para o Departamento de Trânsito poder realizar as suas obras em vias de manutenção, construção e sinalização. O dinheiro é gasto tanto em vias estaduais como federais. 

IPTU – o Imposto Predial e Territorial Urbano é pago às prefeituras e é como os municípios conseguem verbas para construir moradias populares, melhorar ruas e avenidas e serviços de atendimento em saúde e transporte. Também de pagamento anual. 

ICMS – a sigla é bem conhecida e quer dizer Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços. Os impostos são para arrecadação federal para investir na indústria e comércio. 

IPI – um dos principais impostos do comércio brasileiro. O Imposto sobre Produtos Industrializados serve para investir na economia do país no setor de fabricação. A arrecadação ajuda a inserir verba em tempos de crise também. 

ISS – se você compra um produto paga imposto e se contrata um serviço também. O Imposto sobre Serviços é para empresas de educação, saúde, transporte, dentre outros. A verba é usada em obras federais e projetos governamentais. 

5 Países mais caros para se visitar

Pensando em viajar para o exterior? Dependendo do país é preciso preparar um pouco o bolso. Os destinos mais queridos por sua beleza e luxo na viagem também são os mais caros por diversos motivos, dentre eles os bons serviços. Saiba quais são os cinco países mais caros para visitar e porque valem a pena. 

Os países mais caros para visitar em férias

Viajar é bom em diversos quesitos, mas os gastos com a brincadeira fora de casa devem ser planejados. Mesmo havendo diversos países onde se passar ferias é mais barato que no Brasil, alguns destinos são pouco procurados não porque não há atrativos mas por conta dos altos preços em serviços e produtos. Os eleitos mais caros países para visitar segundo o Fórum Econômico Mundial são:

Suíça

Os gastos já começam com o transporte aéreo, um dos mais altos valores, em especial porque não há vôo direto do Brasil. A hospedagem também pode ocupar o topo da lista com em média R$ 250 por noite em um hotel de poucas estrelas, o que pode assustar quem está acostumado com cinco estrelas no Brasil pagando metade disso.

Apesar da excelente infra estrutura para o turismo é preciso pensar duas vezes quando se trata em serviços. Alimentação é um dos quesitos mais caros na viagem. Mas segundo quem viajou vale muito a pena porque os principais restaurantes do mundo estão por lá. 

Inglaterra

Mesmo com a quantidade enorme de brasileiros por lá os preços para turistas não são os mais agradáveis. Estima-se um gasto de mais de cinco mil reais por pessoa em apenas sete dias de viagens, sendo a maior parte em estadia. A boa notícia é haver opções como albergues para jovens. O valor da hospedagem pode chegar a mais de R$ 350 por noite em hotel cinco estrelas. 

Apesar da beleza e organização dos pontos turísticos, as compras não são baratas. Lojas de roupas e perfumes estão entre as mais caras do mundo!

França

A culinária francesa é admira em todo o mundo mas prepare o bolso. Os bons restaurantes com menu requintado podem exigir entre R$ 200 e R$ 300 em uma boa refeição.

Um hotel com vista para a Torre Eiffel (os mais procurados) não sai por menos de R$ 300 a noite. O transporte pode exigir metade do investimento por ser um vôo internacional longo e exigir diversos serviços.

Austrália

Um dos principais motivos do turista gastar muito em uma viagem para a Austrália é seu transporte durante a viagem. As longas distâncias para visitar pontos turísticos dentro do próprio país alavancam os gastos de viagem com táxi ou transporte público. 

A hospedagem também não é das mais em conta ficando em torno de R$ 320.

Noruega

Curtir a beleza natural e os pontos mais importantes da cultura norueguense pode exigir um alto custo do viajante. O vôo é a parte mais cara porque não há direito do Brasil. Os hotéis são até mais baratos em comparação a outros países, chegando a R$ 200 por noite. 

Mas os gastos são mais nos dias corridos que com o dormitório. É um dos países com o mais alto custo de vida do mundo e abastecer pode custar caro. O combustível possui preço elevado e refeições estão entre as mais caras.